sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

A morte do Amor

Nosso amor morreu tão cedo
Desenfreado, desafinou
Quebrou o instrumento

A poesia já não é mais música
A poesia agora é só sofrimento
Lágrimas, lamento

Lamento, meu amor
Preferi não esperar 
Enterrei nosso sentimento

Felicidade me traz medo. 

Hora/Café

Cheguei cedo

Pedi um café

Esperei...

Dois, 
cafés

Três, 
horas

Quatro

Cinco,
cafés

Ela não veio

Dei no pé

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Letras

Que formam o alfabeto
Que formam palavras
Que formam um poema

Letras que preenchem as páginas de livros
Letras que que viram músicas, discos

Ah (suspiro)... 
Aquela aluna do curso de letras... 

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Vida

Um     dia     desses qualquer


     No     meio     desse     labirinto

  
                       esquisito 


Mesmo     que     sem     querer,

  
        quem     sabe     a      gente


Se     encontre.     (Saída)     

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Diferençar

Atente-se a diferença que há,

Entre o que você espera da noite
E o que você espera da vida.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Numa Só

Uma palavra errada
Na hora errada
A pessoa errada

EUTEAMO!

Começo, meio e fim
Na minha/sua/nossa
Cabeça fraca

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Tu

Quem és tu ?
Menina que apaixona o poeta
Menina que desafina o cantor
Eu quero tocar guitarra só pra você.

Quem é tu?
Meu primeiro pensamento do dia
Meu último pensamento da noite
Meu sonho preferido na hora de dormir

Quem és tu, menina? 
Teu nome aqui, até rima!

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Transparecer

A poesia que escrevo
Nada mais é do que o transluzir de algum segredo.

O que sinto, não conto!
Ponto.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Menininha

Você aí, toda menininha
Toda meiga, doce e bonitinha

Uns diriam
Que a você não falta nada
Eu, que falta ser minha.

domingo, 14 de outubro de 2012

Domingo

Domingo é comida enlatada 
É música universitária 
É cerveja quente
É café gelado
É religião de crente
É dormir sem escovar os dentes
É prisão de ventre 

Domingo não é pra mim
Domingo é pra gente. 

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Minuto

Na cozinha, minha mãe faz pão de minuto
No quarto, escrevo uma poesia de minuto
Na sala, nesse minuto, meu pai fuma seu terceiro cigarro
Meu irmão não para quieto um minuto

Quantos minutos cabem em um minuto?

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Tem Pra Dois

Eu que de orgulho 
Me basto pensando em ti
Sozinho já não me basto
Tamanho o vazio aqui

domingo, 30 de setembro de 2012

Bolo

Troco um bolo 
Por uma poesia

Troco um encontro
Por uma vida

Favor tratar aqui. 

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Sobre Cachos/Caracóis (Bonita).

E quando de surpresa me pego pensando
Me vejo tal qual fosse uma criança
Sentindo uma vontade imensurável 
De colocar tudo nas mãos

Tão logo recupero a consciência 
Adulto de novo, perco toda a inocência
Como você é bonita, Carolina
Que vontade de mergulhar em seus cabelos cacheados

Não sei se são seus olhos castanhos
Seu nariz e boca tão bem desenhados 
Certo mesmo estou que são seus cachos
Certo mesmo estou que é tudo isso um bocado

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Um trago a mais.

Ontem completei um ano mais 
de um quarto 
de um século de vida

Ainda tenho tempo pra mais uma bebida. 

domingo, 23 de setembro de 2012

Caguei

Poesia, música e qualquer outro tipo de arte
Às vezes, acho que isso nunca vai me dar dinheiro.

Às vezes, penso em procurar um emprego de verdade.
Depois que sair do banheiro.

domingo, 16 de setembro de 2012

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Juntar

Prefiro as estrofes aos textos corridos
Desenhos a fotografias, música a jornalismo
Prefiro CDs aos discos

Mas adoraria juntar nossos livros!

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Saudade (?)

Ando sentindo saudades
De coisas que nunca vivi
Do meu cabelo comprido
De um prato que nunca comi

Sinto falta das tardes na calçada
Quando conversando, ouvíamos um som qualquer
Sinto falta dos braços e abraços
Dos sofá e seus pés descalços

Aquele programa de TV sem sentido
Reclamar um dia mal dormido
Se enroscar e não querer sair dali

Ando sentido saudades
De algo que nunca foi meu
Sinto falta de alguém por aqui

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Escada

(EU)

Escrevi

      Pra você

          Em degraus

                 Como se fosse

                             Uma escada

                                       Que é pra ver se você

                                                               Chega até mim 
                                
                                                                              Mais depressa.
                                                                                                      (VOCÊ)

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Paz e Amor! V

V                                          U
  A                                      C
    I                                    O           
     T                                N 
       O                            R
         M                        A
           A                     M
             R                 O 
               N              T
                 O           I
                   C       A
                      U  V

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Coração a Meio Fio

Moça, cuidado com o fio
Vai desligar se bater

Meu coração a meio fio
Vai parar de bater

Moça, cuidado com o fio
Moça, cuidado com meu coração

Tum, Tum, Tum... Bate meu coração.
Tum, Tum, Tum... Bate em meu coração.

Cuidado, moça, com o coração
Cuidado, coração, com a moça

Moça? Coração? Tum!
Tum! Coração? Moça?

Bagunçou e eu não sei
Se ele parou por ela, ou ela por alguém.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

O amor

Está lá no dicionário pra quem quiser ver
Existe um significado para esse verbo intransitivo e irregular
Morrer significa deixar de viver, significa falecer
Morrer é deixar de existir, é acabar

Tão bom é morrer de amor e continuar vivendo
Mesmo que vivamos aos poucos morrendo
Dia desses eu morri de amores por ti
Dormi, acordei e quando vi, sobrevivi

É possível explicar ou entender tal complexidade?
Esse sentimento é esquisito, meio amargo, agridoce
Nem sempre é só tristeza, nem também, só felicidade

Esse amor é quase impossível de se entender
Um dia tenho certeza que vou morrer de amor por você
Mas hoje é justamente esse amor que me faz viver

O(A) novo(a)/ velho(a) amor/dor

Um amor que virou dor
Uma dor que se curou com um novo amor
Um novo amor que não suportou a velha dor
Uma velha dor que acabou com o novo amor

terça-feira, 12 de junho de 2012

Doze do Seis

Hoje é dia doze do seis
No seu calendário um dia especial
Pra mim um dia normal


Hoje é dia doze do seis
Pra alguns um dia normal
Pra mim também


Hoje é doze do seis
Amanhã é treze
Depois catorze, quinze, dezesseis


Vai chegar o dia dezessete
Pode ser especial pra alguém
Pra mim, mais um dia comum


Dezoito, dezenove e vinte
Vinte e um e nada vai mudar
Pra mim, mais dias comuns


Vão se os dias, meses e anos
Vão se pessoas e planos
Permanece pra sempre, meu amor por você

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Friagem

Um projétil alojado no peito
Um pino instalado no joelho

Um osso trincado que ainda não se recuperou
O tornozelo inchado que ainda causa dor

No frio tudo dói mais que o normal
No frio nada dói mais que a saudade 

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Preguiça

Preguiça não é defeito
É estado de espírito 

Preguiça de viver
Não é vontade de morrer

Preguiça é preguiça
E eu estou cheio dela

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Depois

Todas as mulheres
Que tiveram o meu corpo
Jamais o tiveram por inteiro

Depois que você partiu
Cabeça e coração 
Nunca mais se viu

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Chega

Chega
Chega o natal 
Mas não chega julho

Chega!
De novo isso tudo?
Chega!

Chega disso, certo?
Pelo menos enquanto julho não chega
Chega!

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Me Perdi.

E foi ali que me perdi
Nas tuas curvas inocentes 
Na sua pele macia
Na sua voz doce


Você era tão meiga
E eu ainda um menino
Me apaixonei perdidamente
Te amei de forma ardente


Foi como em um conto de fadas
Só que sem final feliz
Não nos casamos e nem tivemos filhos
Não envelhecemos, não juntos pelo menos


Foi ali que me perdi
No seu toque e no seu beijo
No seu cheiro e nos seus pelos
Nas suas curvas, um leve desespero


Foi ali que me perdi
E até hoje não me achei
Aonde estou? Não sei!
Aonde vou? Não sei...

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Tempo

Já faz tempo, o tempo não é legal comigo
Não pede licença ou avisa, passa sempre corrido
Não me beija ou abraça, é sempre tão frio


Já faz tempo, o tempo não é meu amigo